IBIAPABA 24 HORAS

IBIAPABA 24 HORAS
Noticias da Serra da Ibiapaba e interior do Ceará
:

Rodrigo Duterte afirma ter tido ajuda de 'lindas mulheres'

Conhecido pelas suas frases polémicas, Rodrigo Duterte voltou a gerar controvérsia ao falar sobre a homossexualidade. Em 2016, o governante chamou um embaixador norte-americano de "sacana gay". 

Durante um discurso que fazia a uma comunidade filipina em Tóquio na quinta-feira passada, o Presidente das Filipinas voltou a gerar polémica ao referir que “antes era um pouco gay”, mas que, entretanto, se “curou” com a ajuda de “mulheres bonitas”. Tudo começou quando Rodrigo Duterte criticou o seu principal opositor, Antonio Trillanes, acusando-o de ser gay. Pouco tempo depois, Duterte acrescentou que ele próprio era “um pouco gay” quando estava casado com Elizabeth Zimmerman, de quem se separou em 2000. 

Só depois de conhecer a sua atual parceira, Honeylet Avanceña, é que Duterte diz ter-se tornado “homem de novo”. “As mulheres bonitas curaram-me”, afirmou o Presidente filipino, acrescentando que “odiava homens bonitos depois disso”. Duterte, recorde-se, tem um historial de comentários controversos. Desde ter dito ao Papa Francisco para não regressar ao país, quando o sumo pontífice se deslocou às Filipinas, em 2015, até ter anunciado que planeava matar os três milhões de toxicodependentes da nação, “assim como Hitler matou três milhões de judeus”. E também já fez comentários sobre a comunidade LGBT. “Agora prefiro mulheres bonitas”, assegurou. 

Em 2016, o governante utilizou a homossexualidade como um insulto para descrever os rebeldes comunistas e o antigo embaixador norte-americano nas Filipinas, chamando-o de “sacana gay” e acusando os diplomatas dos Estados Unidos de criarem problemas com os seus homólogos filipinos em Washington. 

Um ano depois, Duterte assumiu ser contra o casamento entre pessoas do mesmo sexo referindo mesmo que todos os casamentos que não fossem entre um homem e uma mulher não seriam aceites nas Filipinas, cuja população é maioritariamente católica. Só que, ainda durante esse ano, Duterte voltou atrás e chegou a assegurar durante uma conferência que os direitos LGBT estariam protegidos durante o seu mandato, garantindo ainda que “não haverá opressão” e que as Filipinas iriam reconhecer a importância dos homossexuais na sociedade. 

Em resposta às afirmações de Duterte, Antonio Trillanes emitiu um comunicado, citado pelo The New York Times, onde refere que o Presidente filipino “ao admitir o seu passado gay” o leva a suspeitar “da verdadeira natureza da sua obsessão” com ele. “É bem provável que esta projeção de homem forte seja apenas uma fachada”,acrescentou Trillanes, referindo ainda que os comentários do governante “mostram o quão perverso e doente é”. 
Fonte: O Observador 

Advertisement

0 comentários:

Postar um comentário

ibiapaba24horas@gmail.com

 
Top